Atraves do vidro



Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. 1 Timóteo 6:10

Li uma história de um velho rabino que recebeu a visita de um homem que não era feliz. O rabino, que sabia que o homem era muito rico, percebeu logo qual era o seu problema. Convidou-o a olhar através do vidro da janela e dizer o que via.

— Vejo pessoas — disse ele, olhando para a rua movimentada atrás do vidro.

Agora venha até aqui. — pediu o rabino apontando para um espelho na parede. — E agora, o que vê?

— Vejo eu mesmo. — respondeu o homem sem entender direito o que fazia.

— Sabe a diferença entre o vidro do espelho e o da janela? Um pouco de prata. — explicou o rabino.

O problema da infelicidade do homem era o dinheiro, que não o deixava enxergar as pessoas. O problema nosso pode ser o mesmo ou qualquer outra coisa que nos faça enxergar apenas a nós mesmos, nossos desejos e interesses.

Você encontra nos evangelhos pobres e ricos que seguiram a Jesus, mas Ele se entristeceu quando encontrou um jovem rico que tinha em sua riqueza a razão de sua vida. Ao contrário do que muitos pensam, não é o dinheiro a raiz de muitos males, mas o amor ao dinheiro.

Muitas pessoas têm como objetivo na vida ficarem ricos. Esse é o objetivo mais pobre que alguém pode ter, porque só dura uma vida. Já viu alguém, no leito de morte, arrependido por não ter ganhado mais dinheiro?

Busque um objetivo ou um significado na vida que não seja bloqueado pelo amor ao dinheiro, que faz com que você enxergue só a si mesmo, como a fina tinta de prata aplicada ao vidro quando o transforma em espelho, impedindo que veja o que existe além.

Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela sua pobreza enriquecêsseis. 2 Coríntios 8:9


Já pensou o que seria de nós se Cristo preferisse cuidar de Seus próprios interesses?
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. Filipenses 2:5-11

Postagens populares